Bem-vindo ao Altruísmo na Net! Este blog foi criado, com toda humildade e apesar das minhas limitações humanas, para dar mensagens positivas e aconselhamentos. Para entender melhor esta ideia e saber quem sou eu, clique aqui.

domingo, 28 de março de 2010

Matricule-se em uma academia: você tem muito a ganhar

Quem me conhece sabe que gosto de exercícios desde a adolescência. A prática regular de exercícios ajuda a prevenir diabetes, pressão alta, depressão, demência, perda de memória, osteoporose, câncer, aterosclerose, infarto, derrame cerebral, isquemias, obesidade, transtornos de humor... Só que eu sempre achei mais legal malhar em academia, pela assessoria dos professores e pela possibilidade de conhecer pessoas.

Neste fim de semana eu participei de uma aula de RPM, que é uma modalidade de ciclismo em sala de aula, com os professores Rafael, Hélcio, Fabrícia e Valter (foto mais abaixo). Vejam o vídeo do Hélcio para vocês verem como é legal:

video

A aula foi em um congresso com feira sobre atividade física, academia, fitness... Cada academia apresentou várias aulas. Foram 4 dias de evento. Em pleno domingo, ao meio dia, eu malhando... Eu e mais 149 pessoas nas bikes. Suei muito e encontrei muita gente no evento paralelo às aulas: ex-alunos da educação física, colegas da academia, professores e ex-professores. A Laila também foi. Comprei uns tops para malhar. Amei o meu dia.

Aprendi que o domingo rima com cuidar da cabeça e do corpo. No domingo passado eu fui para o Vaca Brava, mas nem andei ou corri. Só observei quem passava. Agora eu sei que na correria do dia-a-dia, o domingão é mais uma opção para tirar o atraso dos dias em que fico no trabalho e não malho.

sábado, 20 de março de 2010

Não está legal? Mude!

Parece chavão, mas faça o que você quer e gosta. Vejo tanta gente fazendo o que não gosta na maior parte do seu tempo! Isso envelhece, empobrece a alma. Salvo alguns dias mais pesados, eu adoro chegar no Portal (meu trabalho). Eu o quis, o construí e o alimentei. Com toda a equipe junto, claro, mas se eu não quisesse não teria nem começado. E se não estivesse feliz, já teria largado também. Não são flores o dia todo, claro! Eu vivo no planeta Terra! Mas as flores valem as ervas daninhas.


É bem verdade que na nossa vida as opções nem sempre são as melhores, mas o que não vale é acomodar. Porque se a gente não aproveita as possibilidades, deixamos juntar a mesmice imposta com a chatice opcional. Ficaríamos secos e loucos de tristeza. A gente tem que dar uma chance para o universo. Assim quando a oportunidade aparecer a gente agarra. É um misto de benção com correr atrás. Não é fácil, mas não dá para desistir de si mesmo, não é?


Minha história:

Esse dias foram difíceis: trabalho, sinusite, gripe, dor de garganta, TPM, carência emocional, grana curta, muitíssimo trabalho, dieta e academia. Aí pensei: "É isso que você quer para sua vida?" Mude o que precisa ser mudado. É isso que estou fazendo. Podem acreditar. Aguardem-me!

Se não gosto de uma roupa, eu visto outra.
Se não gosto do emprego, procuro outro.
Se me sinto agredida, eu falo.
Se está me incomodando, ou saio ou tiro de perto de mim.
Se estou afim, me enfeito (veja aí minhas unhas azuis estilo Avatar, kkkk....)

Se estou nervosa, rezo e ouço mantras.
Se estou apurada de serviço, trabalho.
Se me sinto gorda, faço dieta.
Se preciso de disposição, malho e durmo.

Com todas as bobagens que uma mulher do seçulo XXI pode sentir ou pensar...
Simples assim. Como todo mortal pode fazer.
Busco ser feliz, pois eu mereço.

quarta-feira, 10 de março de 2010

Como você enxerga a vida?

Uma música linda... Para pensar, para relaxar, para repor as energias. Veja até o fim. Vale a pena.

video

quinta-feira, 4 de março de 2010

Sobre a falta de compromissos...

Como todo ser humano normal, eu também fico triste e indignada. E uma constatação que me deixa triste é ver como existem pessoas sem compromisso. Semana passada a funcionária do RH da Eseffego deixou de enviar minha papelada de licença para a sede da UEG em Anápolis e por isso eu quase perdi meu plano de saúde. E ela, com uma voz apática, lançava-me argumentos sem sentido, ao invés de admitir logo que estava errada. Contornei a situação, com interurbanos, tempo e uma boa dose de paciência para ficar implorando à sede em Anápolis, que concedessem-me os meus direitos. Digam-me: qual a confiança que posso ter no trabalho desta funcionária? O que posso pensar de alguém que recebe para fazer um trabalho mal feito e que ainda prejudica os outros? Sim, porque sem meu plano de saúde eu ficaria muito prejudicada!

Depois percebi que minha carteira de saúde tinha ficado no consultório médico. Ao tentar encontrá-la, tenho que ouvir uma das secretária da médica dizer que ela não tinha meu telefone (então pra que tenho que preencher uma ficha de cadastro?). E a outra: "Não tenho nada a ver com isso." Cheguei lá para pegar a carteira e lá estava ela jogando "Colheita feliz", no orkut. Essa é pior ainda: nem o medo de fazê-la perder o emprego faz com que tenha, no mínimo, educação.

Isto sem falar nos comentários que vejo nas revistas, na TV, no rádio, bares... e em toda parte, inclusive no meu telefone, dos homens que só querem rolo, porque firmar-se é perder oportunidades. Encontrei um texto interessante, que expressa bem minha visão sobre esse modo de levar a vida sem compromisso. Uma parte diz assim: "Sem compromisso com nossa verdade interior não somos confiáveis e acabamos buscando fora as explicações e respostas que estão dentro de nós. Sem compromisso não experimentamos a liberdade, o que fazemos é fugir" (Maria Silvia Orlovas). Cada um deve tomar o rumo que preferir, mas acho que quem não quer compromisso deve-se relacionar com quem também não quer, porque aí ninguém sai chateado na história. Mas pessoas que não querem compromisso também não tem compromisso com a verdade, e aí fica difícil separar o joio do trigo.

Infelizmente, o mundo anda contaminado por pessoas que querem sempre "tirar o corpo fora".

Pela recorrência do tema "falta de compromisso" entre as pessoas, vejo que esta não é uma queixa particular. Penso que para quebrar este ciclo devemos começar por nós mesmos. Apesar da indignação e até um certo pessimismo, incoerentes com o perfil do meu blog, ele é a prova de que ainda acredito nos seres humanos. Que este desabafo sirva para um exame de consciência de cada um de nós sobre como andam nossas posturas altruístas. Pense nos outros, e não só em você. Mesmo porque o mundo dá voltas...